Imóveis

Como é calculado o valor do condomínio?

novembro 19, 2019
Tempo de leitura 3 min

Viver em um condomínio proporciona aos moradores muitas vantagens,  como a redução de custos com a manutenção, funcionários, custos fixos etc. No entanto, para ter esses benefícios e outros serviços essenciais — água, luz, gás etc —, é obrigatório o pagamento mensal do condomínio.

Sendo assim, é importante analisar os valores que compõem a taxa de condomínio e os serviços e infraestrutura oferecidos, para verificar a viabilidade de adquirir o imóvel. A seguir, destacamos alguns aspectos que definem o valor mensal do condomínio. Continue a leitura!

Afinal, quais critérios interferem no valor do condomínio?

Área de lazer

Hoje é bem comum encontrarmos prédios cada vez mais equipados, com piscina, área de churrasco, salão de festas e até mesmo academias e SPA. Trata-se de vantagens bem interessantes, pois, como dito, para a maioria das pessoas é muitas vezes inviável adquirir todas essas facilidades individualmente.

Contudo, é bom lembrar que, quanto mais serviços disponíveis, maior poderá ser o valor do condomínio.

Manutenção

É necessário um ou mais profissionais responsáveis pela manutenção e limpeza de áreas comuns e de lazer, dependendo do tamanho e infraestrutura oferecida pelo condomínio. Além disso, geralmente, um valor é reservado todos os meses para ser utilizado em casos de gastos não esperado. Este valor é chamado de taxa extra.

Os prédios mais antigos tendem a ter esse custo mais elevado, pois as manutenções são mais recorrentes. Já os mais novos, contam com equipamentos mais modernos, que demandam menos assistência e têm um maior tempo de vida útil. Portanto, esse deve ser mais um aspecto que deve ser considerado na hora de avaliar o valor do condomínio.

Segurança

A segurança tem se tornado uma questão cada vez mais importante nos condomínios. Por isso, muitos locais têm investido em modernos sistemas e tecnologias — câmeras de segurança, portaria eletrônica, alarmes, porteiro etc.

Com tudo isso, é necessário também arcar com os custos mensais dos serviços de segurança oferecidos pelas empresas e a manutenção dos equipamentos.

Como ter custos mais baixos?

Há muitos recursos que podem ser adotados para gerar mais economia e, consequentemente, deixar o valor do condomínio mais barato. Empreendimentos de uma boa construtora, apresentam soluções inteligentes e inovadoras, que auxiliam na redução do valor do condomínio, como:

  • sensores de presença e luz de LED: contribuem na economia energia elétrica;
  • medição de água individualizada: assim, cada morador paga somente aquilo que de fato consumiu;
  • elevadores mais modernos para reduzir o gasto com manutenções;
  • fachadas (revestimentos) e pisos de alta durabilidade;
  • empreendimentos que disponham de mobiliário e decoração completas: evita-se a necessidade de arrecadação extra para esses itens.

Vale ressaltar, ainda que, além dos fatores mencionados, existem outros aspectos, como o número de apartamentos e o tipo de imóvel, que também são considerados na hora de definir o valor do condomínio. Dessa forma, fica claro que essa taxa é imprescindível para o bom funcionamento do prédio e, claro, o bem-estar e a qualidade de vida dos moradores.

Ficou com alguma dúvida sobre o tema ou tem sugestões para os próximos posts? Então nos deixe um comentário!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário